Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filmes e Séries do Filipe

Viciado e apaixonado por filmes e séries, com objectivo de partilhar e discutir este pequeno vício com mais nerds iguais a mim.

Filmes e Séries do Filipe

Viciado e apaixonado por filmes e séries, com objectivo de partilhar e discutir este pequeno vício com mais nerds iguais a mim.

Análise e Revisão: Mandalorian S03 Chapter 20: The Foundling

Filipe Lopes, 28.03.23

 

Ora pois então, mais uma quarta, mais um episódio da nossa tão adorada série de Mandalorian. Deste vez a review veio um bocadinho tarde mas veio a tempo de aguçar o apetite para o episódio que sai já amanhã.

Neste 4º episódio, tivemos uma extensão e continuação do final do último episódio, com Mando e Bo a aprenderem a viver e interagir com o grupo de mandalorians, agora que tanto eles como Grogu fazem parte da família, e tivemos novamente muito mais Grogu - estou a gostar de ver a transformação, nunca deixando de ser a coisa adorável que é.

Este episódio, tendo sido muito mais contido e com uma pequena história à parte da narrativa, apresentou-nos o salvamento de Grogu - o novo foundling para os mandalorian - quem foi o Jedi a salvá-lo e como o fez, através de um cameo de um ator muito importante para a fandom de Star Wars.

Fora isso, este foi um episódio muito mais calmo em termos de história e desenvolvimento das personagens, nunca perdendo a sua essência, cinematografia e qualidade a que a série já nos vem habituando.

Avaliação:7.5/10

Análise e Revisão: Mandalorian S03 Chapter 19: The Convert

Filipe Lopes, 20.03.23

Mais uma quarta, mais um episódio de Mandalorian a estrear no Disney Plus e mais uma review minha aqui no blog!

Neste terceiro episódio, a acção retorna exatamente no momento em que terminou o eposódio da semana passada. Continuamos a acompanhar Din e Grogu na procura da redenção, que já foi conseguida pois Din já se banhou nas "living waters" de mandalore, das quais recolhe uma amostra para poder servir de prova. Este episódio tem também algo que já não via há algum tempo, que é batalhas de naves espaciais, que aqui para grande espanto meu, adensam a história e estão a um nível muito elevado, algo que já não acontecia em Star Wars há algum tempo.

No entanto e pouco tempo depois disso, os criadores neste episódio tomam uma decisão meio estranha - vão perceber do que estou a falar depois de verem - de introduzir aqui algo que parece meio fora de habitat, sendo que até agora ainda não deu para perceber bem onde querem ir com esta escolha. Não que aquilo que aconteceu fosse algo mau, que não é, mas parece "out of place" e até ver não acrescentou nada à história.

No entanto, e apesar daquele interregno a meio do episódio, perto do fim os acontecimentos tiveram em mim um impacto forte, e como já tinha falado no post anterior, deixaram-me muito curioso para o que ainda está para acontecer e para saber o rumo que a história está a tomar - até porque, falando por mim, agrada-me muito esta nova ligação e triângulo: Din, Bo e Grogu.

Avaliação:7/10

Revisão Filme: Creed III

Filipe Lopes, 18.03.23

 

Creed, sim Creed, o nome do filme que também é o da personagem principal desta saga que conta já com com 3 filmes e que, após ter ido ver ao cinema - e que boa sessão que foi -, senti que tinha de partilhar a minha review e tentar com que tu também sintas interesse e comeces a acompanhar esta que é a maior saga cinematográfica sobre desporto.

Creed III marca a primeira experiência de Michael B. Jordan como realizador, após ter sido apenas a personagem principal nos 2 primeiros filmes, o primeiro dos quais realizado por Ryan Cougler - atualmente em Black Panther. Neste terceiro filme à frente e atrás da câmera, Jordan continua a história de Adonis Creed que, depois de atingir o seu pico após ser treinado por Rocky, vai enfrentar acontecimentos do seu passado com o regresso de um amigo - e promessa do boxe - interpretado por Jonathan Majors.

Se ainda não conheces, pode-se dizer que Creed é uma sequela à saga dos filmes de Rocky. E se, quando estreou, tinha tudo para correr mal, a verade é que para mim, depois deste terceiro filme, cada vez me sinto mais introduzido no mundo e a ficar muito entusiasmado por saber que Jordan tem já muitas ideias para expandir este mundo. 

Para além de Jordan e Majors, no cast do filme temos igualmente a poderosa interpretação de Tessa Thompson que regressa para a sequela, e a adição de uma jovem atriz, Mila Davis-Kent, que merece uma referência da minha parte pois intrepreta o papel da filha de Adonis, surda - tal como a atriz -, e está bem à altura das suas contrapartes de renome.

Toda a base da história do filme e seu backgrond fazem com que se pareça uma história real, plausível e profunda. Jordan, no seu primeiro filme como realizador, pega num franchise já estabelecido e bastante conhecido e, sem medos, tem aqui um trabalho extraordinário, tanto como realizador como enquanto ator. Tudo isto aliado às suas admitidas influências - principalmente animes e séries de animação - formaram o cocktail ideal para este excelente filme.

E se ficaram curiosos com a minha review deste terceiro filme, porque não dar uma oportunidade e ver o primeiro? Quem sabe se não irão gostar? E se estão a pensar: então mas eu nunca vi nenhum filme do Rocky, será que vai fazer a diferença? Pois o segredo está aí, eu também nunca vi nenhum, nem mesmo o primeiro, e apesar disso, adoro este franchise.

Avaliação:9/10

 

 

Análise e Revisão: Mandalorian S03 Chapter 18: The Mines of Mandalore

Filipe Lopes, 12.03.23

Mais uma quarta-feira, mais um eposódio da nossa série preferida do universo Star Wars. Desta vez com episódio intitulado The mines of Mandalore, local onde Mando terá que se deslocar para encontar as famosas "living waters" e completar a sua redenção.

Como já tinha falado no post anterior, com o primeiro episódio ficámos com uma ideia geral da direção desta temporada e de algumas surpresas que poderíamos esperar. Pois bem, neste episódio, recebemos já algumas das promessas, como a exploração do planeta de mandalore. Mas quando se podia pensar que o episódio poderia ficar por aí, perto do fim temos uma grande surpresa, que me deixou muito contente e entusiasmado para o que ainda está para vir.

Em relação ao episódio no geral, foi bastante diferente do primeiro, tivemos muito mais acção e exploração nas minas do planeta de mandalore. Grogu encontra-se em evolução daquilo que é capaz de fazer e da sua envolvência como personagem para a narrativa e teve muito mais tempo para brilhar. No entanto, o spotlight vai para Bo-Katan e as surpresas que estão guardadas para a sua personagem já perto do fim do episódio, que vão moldar o que resta da narrativa e da temporada.

Avaliação:8/10

Revisão série: Alice in Borderland

Filipe Lopes, 09.03.23

Hoje a review que vos trago é de uma série Japonesa - exclusivo Netflix - que tem neste momento 2 temporadas.

Alice in Borderland é baseado numa run de manga do mesmo nome. Conta a história de Arisu e os seus 2 amigos que, do nada, são transportados para uma Tokio aparentemente vazia e em que eles são os únicos habitantes. Mas rapidamente percebem que estão aprisionados ali e são forçados a jogar jogos perigosos - nos quais o tipo e a díficuldade são representados por cartas -, de forma a estenderem "visas" que, caso expirem, fazem com que eles sejam mortos por lasers disparados do céu. 

Por norma a netflix não tem um bom reportório de adaptações de mangas para "live action", daí que quando ouvi dizer que esta série era baseada numa manga e que tinha muito boas reviews deixou-me muito curioso! E apesar de não ter ligado à manga, confesso que ia dando uma olhadela num painel ou outro e, do que vi, parecia-me uma adaptação muito fiel e muito bem feita - que me lembra aquilo que está a ser feito com The Last of Us neste momento. Daí o meu espanto quando também descobri que Alice in Borderland entra na categoria de ficção que gosto, muito semelhante a filmes como The Hunger Games e Battle Royal, e séries como Squid Game - que estreou sensivelmente na mesma altura.

Mas se à superfície Alice in Borderland parece mais uma daquelas séries com violência gratuita, com jogos de vida e morte sem grande sentido ou fundo filosófico, é aqui que Alice dá volta e se torna algo muito mais profundo e intrigante. Para começar, basta pensar no título Alice in Borderland, que claramente é um jogo de palavras com o clássico da literatura Alice in Wonderland. E as semelhanças não ficam aí, tudo desde nomes, personagens e até mesmo como os jogos estão relacionados com cartas - no clássico da literatura a grande vilã é a rainha de copas.

A série, após o fim da sua segunda temporada, termina a história exactamente onde termina a mangá, o que deixa no ar a dúvida se existe a possiblidade de haver ou não uma terceira temporada, pois a partir daqui seria tudo conteúdo novo e não explorado. Se por um lado, para mim, a história tem um final, no qual quase tudo é praticamente explicado, por outro é deixada à interpretação do telespectador aquilo que aconteceu e como a história foi resolvida. Se houver 3ª temporada, lá estarei para ver os próximos capítulos; no entanto se a série tiver ficado por aqui, para mim foi um bom final e muito satisfatório.

Avaliação:8.5/10

 

Revisão Filme: Ant-Man and the Wasp: Quantumania

Filipe Lopes, 07.03.23

E bem caro leitor, cá estamos para a review da praxe da mais recente entrada no já vasto e complexo mundo do MCU, com o terceiro filme da saga de Ant Man com: Ant Man and the Wasp Quantumania.

Neste terceiro filme, Scott, Hope, Janet, Hank e a já crescida Cassie são transportados para o Quantum Realm onde vão encontrar muitas personagens e um mundo que desconheciam, bem como uma nova ameaça para todo o universo: Kang - interpretado por Jonathan Majors.

Segundo a cronologia, este filme marca o início da 5ª fase da Marvel, nesta que é a Multiverse Saga. E de um modo geral, este filme serve como entrada e apresentação do próximo grande vilão - pós Thanos -, que os Avangers vão enfrentar no já anunciado Avengers 5 Kang Dinasty. Já havíamos tido uma pequena apresentação a Kang na série Loki, aí como He Who Remains, uma das suas muitas variantes, mas aqui tem um papel muito mais preponderante e que me faz ter muita confiança naquilo que Majors vai trazer ao MCU.

Mas, apesar de Kang ter sido a melhor parte e de ser um grande vilão, e até tendo em conta o que já referi numa review por aqui algures - um filme é tão bom quanto o seu vilão, nesta sua primeira aparição, o filme não passa disso. Pode-se dizer que funciona como filler para aquilo que é o futuro da presente saga, não funcionando como filme do Ant Man. Aquela parte mais cómica e divertida que Paul Rudd traz à personagem de Scott Lang, apesar de presente, na minha opinião é escassa, e o facto de toda a ação ser passada no Quantum Realm, acaba por fazer perder um pouco a magia.

Talvez o filme tivesse resultado melhor se tivesse sido uma espécie de stand alone do Kang e não tanto como filme do Ant Man. Não quero com isto dizer que tehna sido um mau filme de todo. Todas as interpretações são muito boas, a história, apesar de contida, está bem elaborada, e o elemento da família com Scott e Cassie dão um toque mais humano a toda a ação passada em cenários a maior parte deles CGI.

Só deixar o aviso (que já devia ser do senso comum, mas nunca é demais): este Ant Man tem 2 post credit scenes, e talvez das mais relevantes e importantes em muito tempo, por isso não se esqueçam de ficar mesmo até ao fim. Não se vão arrepender, e se quiserem discutir alguma coisinha sobre a mesma passem nos comentários, não tenham medo!

Avaliação:7/10

 

 

 

Análise e Revisão: Mandalorian S03 Chapter 17: The Apostate

Filipe Lopes, 05.03.23

Finalmente!! Como já puderam ver pelo título da revisão e pela imagem acima, uma das minhas séries preferidas da atualidade, que junta Star Wars e uma das criaturas mais fofas de toda a galáxia, está de volta. E aqui estou eu para manter a tradição e fazer uma pequena revisão e dar alguns insights ao que aconteceu neste primeiro episódio.

Apesar de ter gostado muito do episódio no geral, tenho a apresentar 2 pequenas coisas menos boas. A primeira é a duração do episódio. Não percebo o porquê da Disney insistir em episódios que não tenham sequer 40 minutos - nem sempre mais é melhor, mas neste caso a série só tinha a ganhar. E o segunda foi a forma como Favreau confiou na sua audiência uma vez que, do nada, Mando está de novo reunido com Grogu - quando no final da segunda temporada Grogu tinha sido resgato por Luke - e, para além disso, também tem  uma nova nave espacial: a N-1 Starfighter. O que quero dizer com isto é que nenhum destes acontecimentos é explicado, sendo que pressupõem que o telespectador tenha assistido a outra série - neste caso The Book of Boba Fett - para que se perceba toda a história e a sua envolvência.

Em relação aos pontos bons, tivemos o regresso de algumas personagens que já nos acompanham desde a primeira temporada, bem como algumas caras novas, e as já típicas cenas de fofura de Grogu. Tivemos também uma ideia inicial sobre aquilo em que se vai focar esta temporada, que será a reconquista de Mandalore, o planeta natal dos Mandalorian - em tudo ligada à lore do Dark Saber atualmente na posse de Mando.

Se quiserem updates semanais dos episódios e tiverem alguma dúvida da lore, quiserem saber mais um pouco ou apenas ler a minha opinião geral dos episódios desta temporada, apareçam aqui, pois todas as semanas há review nova e podem ter a certeza que se vão sentir entretidos - pela série e pelas minhas palavras.

Avaliação:8.5/10